Motorola Xoom

“Xoom” é o  tablet da Motorola com Android 3.0.

Surgiram na Internet várias análises do novo tablet Motorola Xoom, que está estreando o Android 3.0. A maioria das opiniões parecem positivas, mas indicam algumas lacunas significativas. Walt Mossberg, do Wall Street Journal, disse que o Android 3.0 está muito melhor, gostando muito da interface do navegador ao estilo Chrome, com abas e navegação privada, e sistema de notificações melhorado.

Contudo, ele destacou questões importantes sobre a autonomia da bateria e a ergonomia. Enquanto a Apple é conservadora com a autonomia do iPad, que excede as oficiais 10 horas de autonomia rodando vídeo, a Motorola é mais otimista, já que o Xoom suportou na prática apenas 7,5 horas. Para Walt, o Xoom é mais focado no modo paisagem, aparentando ser “desequilibrado” quando está na posição vertical por um longo tempo.

Já a análise do CrunchGear foi mais otimista, alegando que a autonomia foi de 18 a 20 horas para uso real, mas vale lembrar que o teste evitou a reprodução de vídeos. O mesmo teste, e alguns outros, concordaram que o Tegra 2, coração do Xoom, está muito rápido, e pode facilmente bater o iPad em áreas onde o Android normalmente fica aquém, como percorrer um site, valendo lembrar que o SoC pode rodar vídeos a 1080p.

Mas ao contrário do iPad, o Android do Xoom ficou pesado depois que um número significativo de aplicativos estava ativo. O CrunchGear ainda completa, alegando que os pontos ruins que a Apple evitou no iOS estão visíveis no tablet, com aplicativos cheios de falhas e alguns ainda projetados para o Android 2.X.

Para o Engadget, o software foi uma faca de dois gumes. O site afirma que o sistema tem problemas gritantes, incluindo uma interface que requer o deslocamento da atenção muitas vezes para cima e para baixo, bem como uma “sobrecarga” na interface, que tinha uma tendência de colocar de elementos demais na tela, ou elementos pouco claros. O Movie Studio, uma tentativa de concorrer com o iMovie, se comportou de maneira muito lenta. O sistema operacional, entretanto, foi “coeso”, mostrando o “trabalho de uma única mente”, a princípio a do líder da interface do Android, Matias Duarte. O sistema pareceu poderoso, e ao contrário do iPad, pode ser usado de forma mais independente.

O site ainda completa, afirmando que “o Xoom parece ser uma verdadeira substituição ao netbook ou laptop. Ser capaz de realizar múltiplas tarefas na forma que o Google desenvolveu, com tarefas de fundo funcionando corretamente, e notificações verdadeiramente discretas, são pontos muito interessantes no formato tablet. Além disso, o fato de que o Google incluiu widgets ativos que se conectam sem problemas em coisas como Gmail, faz o monitoramento e a convivência com trabalho ou jogos mais fluida que no iPad”.

A variedade de aplicativos foi um problema sério. Enquanto a Apple lançou o iPad com mais de 1000 aplicativos nativos, poucos foram disponibilizados de início, e foi incluído ports para o iPad, como o Pulse News Reader. No caso do Xoom, aplicativos do Android 2.X foram misturados, e muitas vezes funcionam de forma problemática.

As câmeras são vistas como não sendo tão valiosas como o esperado pela maioria, devido tanto à qualidade da imagem para a câmera frontal, quanto para a impraticabilidade de tirar fotografias e vídeos com um tablet de 10 polegadas. O chat por vídeo é de grande valia, mas precisa do Wi-Fi para funcionar suavemente sem a presença imediata do 4G. A visualização de vídeo, um pretendido ponto forte, teve problemas com a falta de codecs.

Toda análise criticou o preço. A 800 dólares sem contrato, o preço é bem salgado, e o contrato de 600 dólares obriga os usuários a gastarem pelo menos 480 dólares a mais em 2 anos. A decisão da operadora estrangeira Verizon de forçar os usuários a ficarem pelo menos um mês em contrato para desbloquear o Wi-Fi também é decepcionante. A título de comparação, um iPad 3G custa 729 dólares, e a versão somente com Wi-Fi está a 599 dólares.

Um consenso surgiu dentre as análises: adotar o Xoom com pressa não é uma atitude sábia. O Xoom ultrapassa o iPad em muitos aspectos, mas segundo as análises, este não será necessariamente o melhor tablet com Android 3.0. Além disso, segundo rumores, teremos em breve o próximo iPad. O Xoom e o Honeycomb é uma dupla promissora, mas a principio, o preço será um obstáculo.

Fonte: http://www.hardware.com.br/noticias/2011-02/analises-xoom.html

2011 03 10

 

Anúncios