“Overclocking”

Overclocking é o nome que se dá ao processo de forçar um componente de um computador a rodar numa frequência, definida em hertz mais alta do que a especificada pelo fabricante. Apesar de haver diferentes razões pelas quais o overclock é realizado, a mais comum é para aumentar o desempenho do hardware. O overclocking pode resultar em superaquecimento do processador, instabilidade no sistema e às vezes pode danificar o hardware, se realizado de maneira imprópria.

Leia aqui Tutorial sobre Overclocking

A velocidade padrão de um componente está assegurada pela tensão (Volt) a que ele está definido para trabalhar. Existe uma margem ascendente (às vezes grande) de frequência que o componente tolera com essa mesma tensão até chegar a uma frequência onde é perdida a estabilidade, sendo necessário compensá-la com o incremento de tensão, aumentando consequentemente a temperatura.

O overclock pode ser aplicado basicamente a quatro componentes de hardware: Processador, Placa-Mãe, Memória e Placa de Vídeo.

Nota-se que quem procura o overclock é o gamer, entusiasta ou utilizador de software que realmente requeira grandes recursos computacionais. Se usa o PC para navegar, ouvir música, ver filmes e fazer as coisas pessoais, não tente fazer o mesmo.

A velocidade do clock num processador é definida multiplicando a velocidade da BUS pelo multiplicador, os quais estão definidos de fábrica (as vezes a velocidade da BUS pode ser designada por outros termos ou siglas, como HTT ou FSB (Front Side Bus).

O overclock está diretamente relacionado com o aumento de consumo de energia, sendo necessário ter a certeza de que a fonte de alimentação consegue alimentar (de forma estável) a potência necessária ao funcionamento do sistema em overclock. Ao consumir mais energia irá, obviamente, ter que dissipá-la por forma de calor, portanto é necessária uma boa refrigeração. Portanto, se quer iniciar no overclock, a fonte de alimentação e a refrigeração serão as primeiras etapas.

O sucesso do overclock está dependente das potencialidades de todo o hardware envolvido, onde o essencial, em primeiro lugar é a placa-mãe, depois o processador e só então a memória. Recomenda-se que seja feito a partir da BIOS mas também é possível fazê-lo por software ou alterando fisicamente os componentes.

Mas overclock não trata apenas de aumento em Mhz ou em multiplicação, nos processadores também podem ser alteradas suas diferenças de potencial para aumento de carga ou sua diminuição (underclock).

Isso pode ter certas consequências, das quais se destacam a diminuição da vida útil do hardware e o aumento de temperatura do dispositivo. Podendo até provocar a fusão dos componentes do computador. Esse aumento da temperatura é solucionado com o resfriamento do hardware.

A maioria dos sistemas de refrigeração é projetada para computadores que não utilizam o overclocking, mesmo assim, hoje em dia, encontramos cada vez mais métodos eficazes para soluções de refrigeração, como ventiladores poderosos, dissipadores de calor, refrigeração a água (watercooler). Com isso aumentando a possibilidades de overclocking, Pois ao fazê-lo você estará aumentando a freqüência (velocidade) e a voltagem de operação do processador, que fará com que o processador aqueça mais do que deveria, então é necessária uma refrigeração voltada para esse processo. Quanto maior o valor do overclocking, mais será necessário refrigerá-lo.

Dissipadores de calor muitas vezes são feitos inteiramente de cobre, que possui uma alta condutividade térmica, mas o custo é elevado. Sendo assim é muito comum a utilização do alumínio, que tem uma condutividade térmica mais pobre , mas é significativamente mais barato que o cobre. Muitos dissipadores de calor combinam dois ou mais materiais para atingir um bom custo-benefício.

A refrigeração a água segue o mesmo principio de sistemas de refrigeração de motores automotivos. Este sistema veio para combater a refrigeração a ar, permitindo assim melhor resfriamento dos componentes, conseguindo-se maiores valores de overclocking nos diferentes tipos de hardware.

Existem outros métodos que podem ser utilizados em casos extremos, como o nitrogênio líquido, hélio liquido e gelo seco. Estes métodos são geralmente impraticáveis em longo prazo, por exemplo, os transistores a base de silício irão se degradar a temperaturas abaixo de -173 °C e geralmente parar de funcionar em temperaturas de -233 °C.