Arquivo

Archive for the ‘Eletrônica’ Category

Wi-Fi com raios T mais próximo da realidade

Pesquisadores japoneses bateram o recorde de transmissão de dados sem fios na faixa dos terahertz, uma parte ainda inexplorada do espectro eletromagnético.

A taxa de dados alcançada é 20 vezes maior do que o melhor padrão wi-fi.

A banda dos raios T fica entre as micro-ondas e o infravermelho distante – 1 THz equivale a 1.000 GHz.

Os raios T, ou radiação terahertz, vêm sendo considerados como altamente promissores para o uso biomédico, eventualmente substituindo os raios X – apesar do nome “radiação terahertz”, trata-se de uma radiação não-ionizante.

Em 2007, pesquisadores demonstraram pela primeira vez que os raios T poderiam ser usados também para a transmissão digital de dados.

Desde então tem havido uma procura frenética pelo desenvolvimento de geradores de radiação terahertz e de antenas capazes de captá-la.

Por enquanto, os trabalhos na transmissão de dados na faixa dos terahertz têm adotado uma especificação mais folgada, que vai dos 300 GHz até os 3 THz. Nenhuma agência de telecomunicação até agora regulamentou a faixa dos THz.

Apesar de teoricamente suportar taxas de transferência de dados de até 100 Gb/s – 15 vezes mais do que o wi-fi de próxima geração, que ainda está em fase de especificação – o “wi-fi terahertz” provavelmente terá um alcance mais limitado, por volta dos 10 metros.

Neste trabalho mais recente, os pesquisadores do Instituto de Tecnologia de Tóquio demonstraram uma taxa de transmissão de 3 Gb/s a 542 GHz.

Ou seja, eles estão a meio-caminho dos raios T – o que é muito, considerando-se que é uma tecnologia com poucos anos de desenvolvimento.

O experimento foi possível graças a um componente de 1 milímetro quadrado, chamado um diodo de tunelamento ressonante, ou RTD (Resonant Tunnelling Diode).

Diodos-túnel têm a característica incomum de que a tensão que produzem pode algumas vezes diminuir quando a corrente aumenta.

Eles são projetados de tal forma que este processo faz com que o diodo entre em ressonância, emitindo ondas de frequência muito alta – teoricamente, de vários terahertz.

Os pesquisadores japoneses afirmam que o próximo passo da pesquisa é justamente aproximar a prática dessa teoria, entrando finalmente no regime efetivo dos terahertz.

Antes de qualquer uso prático, será necessário também aumentar a potência do componente.

Fonte: http://www.inovacaotecnologica.com.br/noticias/noticia.php?artigo=wi-fi-raios-t&id=010150120518

2012 06 02

Novo padrão de WiFi foi lançado

O Instituto de Engenheiros Eletricistas e Eletrônicos (IEEE), maior associação do mundo pelo avanço da tecnologia para a humanidade, anunciou, durante a CTIA Wireless 2012, o IEEE 802.11™-2012.

. O novo padrão WiFi oferece mais velocidade e segurança nas conexões, inclusive para dispositivos móveis. “Nesses 15 anos desde a publicação original da norma, temos visto a rede sem fio evoluir como um recurso fundamental para os negócios em uma ampla gama de indústrias no mundo todo. Trata-se de um recurso pensado para ser embarcado em praticamente qualquer dispositivo de comunicação, e disponível para funcionários e clientes em qualquer lugar do planeta”, afirmou Phil Solis, diretor de pesquisa da ABI Research.

O IEEE 802.11 define um MAC e diversas especificações PHY para conectividade wireless em estações fixas, portáteis e móveis. Esta é a quarta edição da norma desde que a primeira foi lançada, em 1997. Além de incorporar várias atualizações e melhorias técnicas, o novo padrão WiFi consolida 10 emendas ao padrão base, aprovadas desde a última revisão completa, em 2007. O IEEE 802.11n ™, por exemplo, definia modificações no MAC e no PHY para habilitar processamentos mais elevados, de até 600Mb/s. Outras alterações foram endereçadas ao IEEE 802.11™-2012, como configuração de link direto, “fast roaming”, mensuração de recursos de rádio e operação na faixa de 3650-3700MHz, além de uma série de novas melhorias adaptadas ao avanço da tecnologia desde a primeira versão da norma até os dias de hoje.

“O lançamento do IEEE 802.11 faz parte de um esforço de 5 anos de uma equipe composta por centenas de participantes de diversas partes do mundo, com diferentes expertises. Mais de 300 eleitores de diferentes setores da indústria contribuíram para o novo padrão, que praticamente dobrou de tamanho desde que a última versão foi publicada”, afirmou Bruce Kraemer, chefe do grupo de trabalho. “Todos os dias, cerca de 2 milhões de produtos com tecnologia de comunicação sem fio embarcada são enviados para todo o mundo. A melhoria contínua do padrão tem ajudado a impulsionar a inovação técnica e o crescimento do mercado global. O trabalho sobre a próxima geração de IEEE 802.11 também já começou com uma série de objetivos de projeto, incluindo extensões que deverão aumentar a taxa de transmissão de dados a um fator de 10, o aprimoramento do alcance da banda e a distribuição de áudio/vídeo, bem como a diminuição do consumo de energia”, declarou Kraemer.

Saiba Mais sobre wifi, clique aqui.

Fonte: http://www.businesswire.com/news/home/20120507005487/en/IEEE-802.11%E2%84%A2-Expanded-Support-Faster-Higher-Quality-Simpler; http://www.linuxmagazine.com.br/lm/noticia/novo_padraeo_de_wi_fi_acaba_de_ser_lancado

2012 05 10

Revista Espírito Livre – Edição nº 34 – Muito Boa

Raspberry Pi

Raspberry Pi é um computador de placa única desenvolvido no Reino Unido pela Fundação Raspberry Pi. O objetivo da fundação é oferecer duas versões do computador, com preços de US$25 (modelo A) e $35 (modelo B). A Fundação Raspberry Pi começou a aceitar pedidos do modelo de US$35 a partir de 19 de fevereiro de 2012. O Raspberry Pi tem a pretensão de estimular o ensino de ciência da computaçãobásica em escolas.

O pequeno computador é baseado em um system on a chip (SoC) Broadcom BCM2835, que inclui um processador ARM1176JZF-S de 700 MHz,GPU VideoCore IV, e 256 Megabytes de memória RAM.

Um detalhe importante é que a memória RAM é compartilhada entre o processador e a GPU, sendo que apenas 186 MB ficam disponíveis para o sistema. As configurações de inicialização básicas ficam guardadas em um arquivo de texto que também está no cartão SD juntamente com o SO, dispensando a necessidade de uma BIOS.

Por se tratar de um sistema bastante simplificado, apenas versões do Linux que foram modificadas especificamente para o Raspberry Pi estão aptas para funcionar como sistema operacional; nada de Windows. Apesar de suas configurações modestas, o computador é plenamente capaz de reproduzir vídeos em resolução Full HD através da interface HDMI.

O projeto não inclui uma memória não-volátil, como um disco rígido, possuindo uma entrada de cartão SD para armazenamento de dados.

A grande diferença entre os dois modelos é que o Modelo B possui um controlador Ethernet e duas portas USB, enquanto o Modelo A possui apenas uma porta USB e nenhuma porta de Ethernet.

O Raspberry Pi não possui um relógio de tempo real (RTC), criando a necessidade do sistema operacional usar um Network Time Protocol(NTP), ou do usuário fornecer a hora ao sistema. Porém, um relógio de tempo real (como o DS1307) pode ser adicionado pela interface I2C.

O projeto Raspberry Pi tem como objetivo disponibilizar um computador simples e de baixíssimo custo para que jovens e crianças do mundo tudo possam ter acesso às ferramentas básicas para o aprendizado de programação. A ideia foi proposta por um grupo de estudantes do laboratório de computação da Universidade de Cambridge, nos Estados Unidos, ao perceberem que o nível de conhecimento dos novos alunos estava em constante declínio.

Os primeiros protótipos nasceram ainda em 2006 e têm sido aprimorados desde então. A atual versão, que já está em produção, resume-se a apenas uma pequena placa contendo todos os elementos centrais de um PC, com o tamanho próximo ao de um cartão de crédito.

Os componentes do Raspberry Pi (Fonte da imagem: Divulgação/Raspberry Pi Foundation)

O principal componente do Raspberry Pi é um pequeno circuito integrado que reúne o processador com a arquitetura ARM, a GPU VideoCore IV e a memória RAM. As especificações gerais são:

  • Processador ARM 11 de 700 MHz;
  • GPU VideoCore IV de 250 MHz;
  • 256 MB total de RAM;
  • Saída de Vídeo HDMI e RCA;
  • Saída de áudio P2;
  • Interface de rede ethernet;
  • 2 portas USB;
  • Conector Micro USB para alimentação (5 volts, 700mA).

Como o projeto Raspberry não tem fins lucrativos, os estudantes conseguiram convencer a Broadcom a fornecer o SoC principal por um preço bem abaixo do mercado, cerca de U$ 15 a unidade. Somando isso aos demais componentes, que também são de baixo custo, cada Raspberry Pi pode ser adquirido por apenas U$ 35 (cerca de R$ 67). Uma versão sem a interface de rede também está disponível por U$ 25 (R$ 48).

O objetivo primário do Raspberry Pi é ser uma solução simples e barata para que jovens possam dar os primeiros passos no mundo da programação, principalmente nos países em desenvolvimento. Por isso, a ferramenta MIT Scratch, que ensina o básico da programação de uma maneira mais leviana, está inclusa em todas as versões do sistema operacional.

Fonte: http://pt.wikipedia.org/wiki/Raspberry_Pihttp://www.tecmundo.com.br/hardware/23175-raspberry-pi-como-um-computador-de-50-reais-pode-revolucionar-a-informatica.htm#ixzz1uN9H71pu

Computador quântico bate recorde

Cientistas chineses afirmam ter batido o recorde de computação quântica, calculando os fatores primos do número 143 – o recorde anterior era o número 21.

Os computadores atuais não são nada bons em fatoração numérica, o que tem permitido a elaboração de esquemas de segurança – a chamada criptografia – baseados justamente na dificuldade em fazer essa fatoração.

Ou seja, o eventual desenvolvimento dos computadores quânticos colocará em xeque os atuais esquemas de segurança, exigindo o desenvolvimento de técnicas igualmente quânticas de criptografia.

O número 143 parece pequeno demais para ameaçar qualquer esquema de segurança.

Mas o que tira um pouco o entusiasmo em relação ao feito, anunciado por Jiangfeng Du, da Universidade de Ciência e Tecnologia de Heifei, é a técnica de processamento quântico utilizada.

A equipe usou um processo chamado computação adiabática, o mesmo usado em 2006 por Ralf Schutzhold e Gernot Schaller, da Universidade Técnica de Dresden, na Alemanha, para fator o número 21.

Ao contrário das técnicas mais pesquisadas de computação quântica, baseadas em condensados de Bose-Einstein e, mais recentemente, em dispositivos de estado sólido, incluindo semicondutores e diamante, esse processo foi adotado em um experimento que se dá em fase líquida.

Há muitas dúvidas se o processo de estado líquido pode ser ampliado para números grandes o suficiente para que a técnica tenha algum efeito prático.

Os qubits dessa “piscina quântica” são os spins de núcleos de hidrogênio em moléculas de um cristal líquido (1-bromo-2-clorobenzeno).

Cada spin é um pequeno magneto, que pode ser manipulado usando disparos de ondas de rádio, em uma técnica similar à ressonância magnética.

Em vez dos componentes individuais, tanto dos computadores clássicos, quanto das técnicas mais comuns de computadores quânticos, na computação adiabática a piscina de qubits é controlada para que responda às entradas do processamento de forma coletiva.

A piscina quântica está sempre buscando o nível mais baixo de energia. O truque é ajustar o sistema para que seu estado de mais baixa energia dê a resposta.

É mais ou menos como mexer com uma bola, fazendo-a correr sobre um pano esticado, para que ela atinja a posição correta – somente o algoritmo quântico correto permite que uma piscina quântica resolva um determinado problema.

O inconveniente também é óbvio: cada problema exigirá um “hardware” diferente.

A forma de cálculo mais utilizada nos experimentos com processadores quânticos é o chamado algoritmo de Shor.

Fonte: http://www.inovacaotecnologica.com.br/noticias/noticia.php?artigo=computador-quantico-bate-recorde-fatoracao&id=010150120416

___//___

A Computação quântica

Como sabemos, a computação quântica é baseada em fenômenos da física quântica.

qubit(quantum bit) é a unidade básica de um computador quântico e assim como um bit (binary digit) convencional, o qubit pode assumir os valores de 0 ou 1.

A vantagem é que o qubit pode assumir ambos os valores de 0 ou 1 ao mesmo tempo (Os computadores atuais, como uma máquina de Turing, trabalham manipulando bits que existem em um dos dois estados, como 0 ou 1. Computadores Quânticos não são limitados a dois estados; eles codificam a informação como pedaços quânticos, ou qubits. Um qubit pode ser um 1 ou 0, ou pode existir em superposição que é simultaneamente ambos, 1 e 0, ou em algum lugar entre eles.).

É nessa propriedade que está todo o poder computacional de um computador quântico. Para termos uma ideia do poder da computação quântica, imaginemos um algoritmo que fatore números inteiros. Enquanto um algoritmo em um computador quântico requer uma quantidade em ordem polinomial de passos para fatorar um número, o tempo gasto por um algoritmo convencional é exponencial.

Com o poder computacional elevado do computador quântico, as técnicas de criptografia tradicional poderiam ser facilmente “quebradas”, isto, porque os algoritmos tradicionais se baseiam na dificuldade computacional de se “quebrar” as chaves criadas (chave é uma sequência de caracteres usada para criptografar e descriptografar uma informação), atualmente, um dos sistemas de criptografia tradicional mais confiável é o RSA).

Enquanto isso, o algoritmo quântico de Shorconsegue “quebrar” técnicas de criptografia tradicionais em tempo polinomialmente proporcional ao número de bits da chave. O algoritmo para fatoração de números inteiros em ordem polinomial, citado anteriormente, é um exemplo de um algoritmo de Shor.

Em maio deste ano, a revista Nature publicou um artigo dos físicos Max Hofheinz, John Martinis e Andrew Cleland, no qual eles relataram o avanço que obtiveram no controle quântico dos fótons. A partir de um circuito eletrônico construído com supercondutores, os pesquisadores prepararam estados quânticos absolutamente incomuns utilizando fótons na frequência de microondas.

A pesquisa demonstra que é possível criar estados nos quais a armadilha de luz tem diferentes números de fótons em seu interior, ao mesmo tempo. Por exemplo, ela pode ter, simultaneamente, zero, três e seis fótons.

A medição do estado quântico por meio da contagem dos fótons armazenados força a armadilha a “decidir” quantos fótons há em seu interior; mas, antes da contagem, a armadilha de luz existe em uma superposição quântica, com todos os três resultados sendo possíveis.

Cleland explica que “esses estados superpostos são um conceito fundamental na mecânica quântica, mas esta é a primeira vez que eles foram criados com luz de forma controlada”.

Este experimento poderá permitir a criação de protocolos de comunicação mais avançados para a transmissão de informações quânticas, e segundo os pesquisadores, é um passo muito importante para a construção de um computador quântico.

Este computador terá aplicações na criptografia de dados e na solução de problemas de difícil solução com o uso da computação tradicional. Voltamos ao exemplo do algoritmo de fatorar números inteiros. Em um algoritmo convencional um número de 1024 bits levaria 100 mil anos para ser fatorado, enquanto o algoritmo de Shor levaria apenas 4,5 mim, ou seja, com um algoritmo convencional torna-se inviável a fatoração de números muito grandes.

Na UFCG, está instalado o IQuanta – Instituto de Estudos em Computação e Informação Quânticas, construído com recursos da FINEP (Financiadora de Estudos e Projetos), a partir de uma parceria entre pesquisadores de Ciência da Computação, Engenharia Elétrica e Física da UFCG. No IQuanta atuam grupos de pesquisa na área de Computação Quântica: o GMCC – Grupo de Modelos Computacionais e Cognitivos que atua na área de Computação e Informação Quânticas e o GIQ – Grupo de Informação Quântica que atua nas áreas de Comunicação Quântica, Criptografia Quântica, Computação Quântica, Teoria da Informação Quântica e Óptica Quântica. Além dos cursos de Ciência da Computação, Engenharia Elétrica e Física da UFCG, o IQuanta também conta com a participação do curso de Engenharia de Teleinformática da UFC-Universidade Federal do Ceará.

Assim como os transistores substituíram às válvulas, os pesquisadores esperam que os computadores quânticos possam algum dia substituir os chips de silício. Apesar de a maioria das pesquisas em computação quântica ainda ser muito teórica e os computadores quânticos construídos manipularem apenas algumas dezenas de qubits, diversos avanços estratégicos foram obtidos na área nos últimos anos.

A empresa D-Wave, que já demonstrou alguns protótipos funcionais de um computador quântico com 16 e 28 qubits, por exemplo, possui um investimento significativo em computação quântica (em 2007 já se tinha 44 milhões de dólares investidos na construção de um computador quântico) e promete ainda este ano lançar um computador com 1024 qubits. Será que entramos em uma nova era da computação? É esperar pra ver.

Fonte: http://www.dsc.ufcg.edu.br/~pet/jornal/julho2009/materias/informatica.html

2012 05 08

Micron anuncia modulo de memória DDR4

Foi aninciado pela Micron o desenvolvimento do primeiro módulo de memória DDR4.

Todavia, ainda em fase experimental, as memórias DDR4 são mais rápidas e consomem menos do que as atuais memórias DDR3 (1,2 V vs. 1,5 V).

O clock inicial das memórias DDR4 será de 1.200 MHz (DDR4-2400) podendo chegar no a 1.600 MHz (DDR4-3200). Atualmente as memórias DDR3 estão limitadas a 1.066 MHz (DDR3-2133).

A Micron espera iniciar a produção em massa de módulos DDR4 no próximo ano.

Fonte: http://investors.micron.com/releasedetail.cfm?ReleaseID=670776

Microsoft investe US$300 mi na Barnes & Noble

A Microsoft investirá 300 milhões de dólares no leitor de livros digitais da Barnes & Noble, o Nook, ganhando espaço no crescente mercado de e-books à medida que a rede de livrarias norte-americana ganha mais poder de fogo para competir com o Kindle, da Amazon, e o iPad, da Apple.

O movimento acontece em um momento no qual a Microsoft busca gerar expectativa em torno de seu sistema operacional Windows 8, também funcional em tablets, esperado para chegar ao mercado por volta de outubro.

O negócio anunciado nesta segunda-feira inclui também a compra de uma fatia, pela Microsoft, da unidade de livros para ensino superior. Também significa que ambas resolveram seus problemas sobre patentes.

O acordo avalia os negócios da Barnes & Noble em 1,7 bilhão de dólares, e resultará em uma nova subsidiária, informaram as companhias. As ação da varejista de livros chegou a subir quase 70 por cento nesta segunda-feira.

A Microsoft terá uma fatia de 17,6 por cento na nova empresa, temporariamente chama Newco -que será administrada pela Barnes & Noble, a maior rede de livrarias dos Estados Unidos.

O investimento feito pela Microsoft dá um novo impulso à Barnes & Noble, que esteve engajada em uma cara batalha com o líder de mercado da Amazon.com, o Kindle, e também com o iPad, da Apple.

“Isso (o negócio) dá a eles um parceiro muito maior com bolsos mais fundos, dá a eles maior alcance”, disse o analista Peter Wahlstrom, da Morningstar. “Nos últimos dois anos, eles estavam sendo pressionados contra a parede”.

As empresas também estabeleceram o litígio de suas patentes. No ano passado, a Microsoft entrou com ações por infração de patentes contra a Barnes & Noble a respeito do Nook como parte de seu ataque aos dispositivos que utilizam o sistema Android do Google.

A Barnes & Noble investiu milhões de dólares no desenvolvimento do Nook. A primeira versão chegou ao mercado em 2009, dois anos depois do Kindle.

A empresa disse em janeiro que poderia separar o negócio de livros digitais, que inclui o Nook.

Fonte: http://info.abril.com.br/noticias/mercado/microsoft-investe-us300-mi-em-negocio-da-barnes–noble-30042012-4.shl

2012 05 07